No Brasil, o projeto de lei n°4.090, de 2015, determina a realização do “Teste do Olhinho” nos recém-nascidos em maternidades e serviços hospitalares da rede pública ou conveniados com o SUS (Sistema Único de Saúde), mas muitas vezes esse exame por ser insuficiente, visto que, existem patologias mais graves localizadas na retina que necessitam de um exame mais profundo do oftalmologista.

Com exames digitais, é possível detectar mais de 29 patologias de leves a severas, são elas :

  • Posição do olhar
  • Infecções das pálpebras
  • Ptosis e condições inflamatórias e infecciosas
  • PHPV, Norrie & TORCH
  • Zika Congênita
  • Retinopatia da Prematuridade (ROP)
  • Retinoblastoma (RB)
  • Shaken Baby Syndrome
  • Doença de Coats
  • Coloboma Retinal
  • Familial Exudative Vitreoretinopatia (FEVR)
  • Hemorragia de Retina e Macular
  • Síndromes Congênitas
  • Córnea Opaca
  • Catarata
  • Glaucoma
  • Cicatriz Corneal
  • Coloboma Íris
  • PHPV
  • TORCH

A importância de prevenir doenças oftalmológicas em seu filho

A visão é o sentido mais importante para o desenvolvimento físico e cognitivo da criança. Gestos e condutas são apreendidos quando ela observa as pessoas ao seu redor. Por isso, em muitos casos, o exame do reflexo vermelho não é suficiente para detectar doenças graves localizadas na retina e que podem afetar a visão das crianças no futuro.

No exame Fenilcetonuria, o famoso teste do pezinho, a prevalência de doenças é de 1 para 15 mil crianças, e no caso de doenças oculares é de 1 para 7. E o que isso significa? Que temos um alto número de crianças com problemas na visão. Problemas estes que podem evoluir se não documentados e diagnosticados da forma correta.